Header Ads

Youtuber inventa dispositivo que atira máscaras em quem está sem

 Youtuber inventa dispositivo que atira máscaras em quem está sem

Quem está fazendo o recomendado para quebrar a contaminação comunitária pelo novo coronavírus sabe o quão irritante é ver gente andando sem máscara pela rua. O youtuber Allen Pan é uma dessas pessoas, mas não ficou somente na irritação: ele inventou uma arma que atira máscaras no rosto de quem não está usando uma.  

 "Este não é mais um mundo baseado em fatos; é um mundo de opinião e de emoção. E se há uma coisa com que 'manifestantes do coronavírus' se importam é a Segunda Emenda: armas (desculpe, lançadores de balas). Um problema americano requer uma solução americana!", diz ele no vídeo, lembrando dos protestos antimáscaras e dos casos noticiados de pessoas que se recusam, por uma razão ou outra, a usar a proteção.

 

Assim, Pan construiu seu lançador. A máscara se ajustaria ao rosto do alvo graças a quatro ímãs postos no fim das tiras, para que elas se atraíssem e se unissem na nuca, e adesivos na parte interna, para garantir que ela grude no primeiro golpe.  

 Com seu protótipo pronto, ele testou em manequins em casa (e em si mesmo) antes de sair à rua, especificamente à praia (Huntington Beach), um lugar em que, segundo ele, há maior resistência de se usar máscaras. Confira:

 

Pelo direito de espalhar o vírus  

 Nos Estados Unidos, crescem os movimentos antimáscara, já que a obrigação de usar a proteção contra a contaminação pelo Sars-Cov-2 está sendo considerada por grupos conservadores como um "atentado à liberdade".

O país não é o único: França, Hong Kong, Espanha e Alemanha experimentam protestos contra o uso de máscaras, com manifestantes tomando as ruas também contra medidas como isolamento social e proibição de aglomerações.  

O caso mais grave, envolvendo violência extrema, aconteceu na França, quando o motorista de ônibus Philippe Monguillot foi morto na cidade de Bayonne ao pedir aos passageiros que haviam embarcado no veículo que vestissem máscaras, agora obrigatórias no país em transportes coletivos.  

Nenhum comentário