Header Ads

Ayrton Senna foi o mais rápido da Fórmula 1, segundo IA da Amazon

 Ayrton Senna foi o mais rápido da Fórmula 1, segundo IA da Amazon

 De acordo com a Amazon Web Services (AWS), a plataforma em nuvem da Amazon, o brasileiro Ayrton Senna é o piloto de Fórmula 1 mais rápido da história, desde 1983.

O estudo foi realizado com base nos tempos das voltas de qualificação, e comparou piloto a piloto, partindo de um deles e seguindo para seu companheiro de equipe. Dessa forma, Senna foi comparado ao seu parceiro de 1994, Damon Hill, que foi comparado com Heinz-Harald Frentzen, que, por sua vez, foi comparado com Nick Heidfeld, e assim por diante.  

 O método utilizou recursos de aprendizado de máquina, e permitiu comparar todos os pilotos de todas as gerações, de 1983 a 2020. O estudo baseado em big data analisou a “performance pura” de cada piloto e suas velocidades brutas das voltas de qualificação, interligando o desempenho de todos eles em uma rede que pôde determinar qual, de fato, foi o mais rápido, excetuando os limites tecnológicos de cada geração, o que impactaria no resultado.

 

Fórmula 1 faz 70 anos  

 A pesquisa da AWS foi lançada como parte das comemorações de aniversário da Fórmula 1, que completou 70 anos no dia 13 de maio.

Desde o primeiro Grande Prêmio, realizado em 1950, vários pilotos já foram considerados os melhores do mundo, verdadeiros gênios de suas respectivas gerações.  

 Por isso, a AWS resolveu utilizar a mais alta tecnologia disponível para tirar a dúvida sobre quem foi o mais rápido dentre todos eles, pelo menos nas últimas quatro décadas.

Senna, que morreu em um trágico acidente, enquanto pilotava sua Williams no GP de San Marino (temporada de 1994), ainda hoje é considerado o melhor piloto da história por inúmeros fãs da Fórmula 1 em todo o mundo.  

 No ranking divulgado pela AWS, outro gênio da Fórmula 1, o alemão Michael Schumacher, aparece em segundo lugar, à frente do britânico Lewis Hamilton.

 Estudo baseado em big data considera Senna o piloto mais rápido das últimas quatro décadas.

Nenhum comentário