Header Ads

Arma feita em impressora 3D gera polêmica; no Brasil, construí-la pode dar cadeia

Os 15 pedaços de plástico em azul e branco lembram as pecinhas de um brinquedo de montar, como os que vêm dentro do Kinder Ovo. Juntos, porém, eles podem ferir seriamente uma pessoa.

São componentes de uma pistola que dispara balas de calibre 22 e foram feitos em uma impressora 3D.

Desde o ano passado, pessoas na internet discutem sobre a possibilidade de impressoras 3D gerarem armas de fogo --até então, a tecnologia, apontada como uma das grandes tendências para o futuro, era usada para criar brinquedinhos e bugigangas.

No último dia 3, o grupo americano Defense Distributed anunciou que criou a primeira pistola 3D funcional, batizada de Liberator. Liderado por Cody Wilson, um estudante de 25 anos da Universidade do Texas, o grupo já havia impresso pentes de munição e partes de fuzil.

Todos os arquivos do Defense Distributed e seus seguidores para a impressão de componentes de armas podiam ser encontrados e baixados em um site próprio, o DefCAD. O arquivo da Liberator foi baixado mais de 100 mil vezes em três dias.

Na última quinta, porém, os arquivos foram tirados do ar pelo Departamento de Estado dos EUA sob a alegação de que a distribuição dos arquivos viola a lei de importação e exportação de armas de fogo no país.

Mesmo nos EUA, onde os cidadão podem fabricar e, com as devidas licenças, distribuir armas de fogo, a Liberator causou polêmica.

Além dos questionamentos sobre o que significa dar potencialmente acesso a armas de fogo para qualquer pessoa, há preocupação com o fato de armas de plástico não serem flagradas por detectores de metal.

METAL LEVE

O Defense Distributed incluiu em sua versão da Liberator uma peça com 30 gramas de metal, suficiente para que seja detectada. Mas isso pode não ser replicado por todos aqueles que decidirem montar suas pistolas.

No Brasil, aquele que decidir construir pistolas 3D violará o Estatuto do Desarmamento, que proíbe a fabricação de armas no país. A pena é de quatro a oito anos de prisão mais multa.

"A pessoa poderia também ser enquadrada por posse e porte ilegal de armas", explica o advogado Leandro Bissoli. No caso da Liberator, que dispara munição de uso permitido, a pena é de dois a quatro anos e multa.

Para Hod Lipson, professor da Universidade Cornell especialista em impressão 3D, a Liberator traz um efeito positivo, e não negativo, para a indústria. "Agora podemos discutir a segurança da impressão 3D", diz ele.

"É importante estarmos atentos se o que pode ser impresso é capaz de machucar crianças e hobbistas."

Armas 3D são feitas de plástico com termorresistência, como o ABS, e quebram depois de alguns disparos --se não houver cuidado na construção, porém, elas podem explodir na mão.

"Criminosos conseguem de forma mais fácil e barata armas que são resistentes", afirma Lipson.

Arma feita em impressora 3D gera polêmica; no Brasil, construí-la pode dar cadeia

Nenhum comentário