Header Ads

Polícia do Japão pedirá a provedores o bloqueio de rede de anonimato

A Agência Nacional de Polícia do Japão irá solicitar aos provedores de internet do país o bloqueio da rede de anonimato The Onion Router (Tor). A medida, segundo o jornal japonês "Mainichi", é resultado da conclusão de um painel da polícia sobre possíveis maneiras de evitar o abuso da rede.

A rede Tor funciona pela inclusão de intermediários entre a origem verdadeira da conexão e o destino. Dessa forma pode ser difícil determinar o responsável pela publicação de um conteúdo na internet.

Popular entre ativistas políticos e defensores do anonimato na web, a ferramenta foi desenvolvida inicialmente por um departamento da marinha dos Estados Unidos.

A polícia japonesa começou a estudar a rede Tor depois da publicação em fóruns de discussão do país de uma série de ameaças de morte. Dois suspeitos acusados pela polícia teriam confessado o crime.

As ameaças continuaram e a polícia teve de admitir que a acusação foi equivocada. Outras duas pessoas inocentes também foram presas, entre elas Masaki Kitamura, um diretor de animação que trabalhou em séries populares, como "Yu-Gi-Oh!".

O verdadeiro responsável pelas ameaças, Yusuke Katayama, de 30 anos, foi encontrado após levar policiais até a ilha de Enoshima, onde estava um gato com um cartão de memória que armazenava o programa usado para comprometer outros computadores e confundir a polícia. Os policiais chegaram à Katayama, pois o animal foi visto junto dele em imagens de câmeras de vigilância.

A perícia no computador de Katayama mostrou que ele usava o Tor. O caso embaraçou a polícia devido às acusações falsas e por não ter conseguido identificar o autor das mensagens.

De acordo com uma fonte anônima do "Mainichi", os provedores não pretendem aceitar a sugestão da polícia. "A privacidade nas comunicações é vital para nós", teria dito a fonte. A polícia disse que pretende "dar uma explicação detalhada para que os provedores entendam".

Polícia do Japão pedirá a provedores o bloqueio de rede de anonimato

Nenhum comentário